quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

A SUA CARA NÃO ME É ESTRANHA

Já se sabia que a hormona oxitocina tem um papel nas relações sociais entre seres humanos. Este químico contribui, por exemplo, para o sentimento de confiança que mantemos nos outros, mesmo quando eles nos fizeram algum mal.
A psicóloga suíça Urike Rimmele conseguiu ir agora um pouco mais longe e demonstrou que a oxitocina também tem influencia na memória social.
De acordo com os resultados de um estudo que realizou, a oxitocina melhora a capacidade que temos de reconhecer um rosto familiar.
Esta memória social, diz a investigadora, é biologicamente diferente da que nos permite lembrarmo-nos dos objectos.

4 comentários:

O vizinho duriense disse...

...e por falar em "a sua cara não me é estranha", sabe o que lhe quero perguntar?
Por onde andou há 37 anos?
Se se confirmar a minha intuição, devo dizer-lhe que pese embora o seu grito de "revolta" pela "censura" que o SOL supostamente praticou, também foi o SOL que me levou a reencontrar um velho conhecido de infância...
Aguardo noticias suas
O Vizinho duriense

João Massapina disse...

Estimado Amigo

Muito feliz fico em ver o seu comentário,mesmo antes de saber de quem realmente se trata.

Faz ou fez; 37 anos estavamos precisamente nos idos anos de 1969 - 1970, por ai, e nessa altura eu estava em Cinfães do Douro.

Local onde não regressava desde então, e onde retornei passados quase 40 anos, no passado verão.

Aguardo contacto para:

jjmassapina@hotmail.com

Com amizade e aquele abraço amigo

João Massapina

o vizinho duriense disse...

Pois meu caro Massapina, confirma-se a minha intuição e a forte coincidência! Vizinhos que fomos e amigos (porque não?) e eis-nos 37 anos depois a cruzar caminho numa estrada chamada NET,inimaginável nessa altura...
A série da RTP1 que segui e sigo com regularidade, fez-me recuar muitas vezes a reconditos locais da minha memória (feliz!) de infância.
E eis-nos aqui, por conta do acaso, transformados em homens (e mulheres, pois elas também se lembram de ti) com percursos de vida feitos e muita nostalgia à mistura. Por Cinfães passaram naqueles tempos muitas familias a que o povo chamava "os barragistas" e que foram também para nós, putos da altura, um sopro de ar fresco numa terra tão interior...
Que o fez voltar no Verão passado a Cinfães? Que caras conhecidas encontrou ? Que sítios? Que cheiros? Foi decepcionante talvez? Mas eu tenho uma surpresa (que julgo ser agradável) para lhe enviar, mas numa próxima vez...(eh eh, não me abandonou o velho jeito de praxador cruel)...
Por hoje fico-me por aqui, com mais esta provocação:
Lembra-se do penedo de Santa Bárbara? E da loja do Camelo , do Fernandinho Soares e da CAsa Morgado? E da quinta? E da loja do Senhor Carneiro? E do Tobé, da Licas ou da Tensa? E da biblioteca itinerante Calouste Goulbenkian?
Que é feito da sua irmã (que lia tanto, se bem me lembro!)
Quanto à foto, mal a vi...topei logo que não estava enganado.
Cordiais saudações do, por enquanto misterioso, amigo de infância , AA.

João Massapina disse...

Estimado amigo misterio

Cada vez estou mais curioso em saber de quem se trata, pois já dei mil voltas á memoria, e pelas coordenadas não consigo descortinar de quem se trata com total certeza.
Fico a aguardar noticias, pela mesma via, ou por e-mail:
jjmassapina@hotmail.com
Abraço