sábado, 31 de Outubro de 2009

Sebelius acknowledges vaccine delays.

The Washington Post (10/27, Shear, Stein) reports, "Administration officials sought Monday to explain why so much less H1N1 flu vaccine is available than had been promised, blaming the manufacturers and the vagaries of science for nationwide shortages." In interviews Monday, HHS Secretary Kathleen Sebelius said that officials had been "relying on the manufacturers to give us their numbers, and as soon as we got numbers we put them out to the public. It does appear now that those numbers were overly rosy."

The New York Times (10/27, A19, McNeil) also notes that Sebelius "promised that, despite delays, there would eventually be enough swine flu vaccine for all Americans." She "appeared on three morning television news programs to deliver the assurance."

"Sebelius said she couldn't predict just how widespread the virus will be," the AP (10/27) reports. "But she also said officials do not believe there is yet any cause to close down schools and cease other daily activities." Meanwhile, on CNN Dr. Anne Schuchat, head of the CDC's Immunization and Respiratory Diseases Division, "said it's hard to predict how long the H1N1 wave will continue, so even getting vaccinated a few months from now -- when vaccine supplies are more plentiful -- won't be too late."

Reuters (10/27, Zabarenko) says that Sebelius mentioned the possibility of future H1N1 outbreaks, perhaps this spring, saying that a vaccination now would also likely protect against that wave.

CBS News (10/27, Morgan) notes that Sebelius "acknowledged the frustration of Americans waiting in lines for vaccinations." She said, "I don't want to minimize the anxiety of a lot of parents who want to get their kids vaccinated, but we do have a vaccine that works."

Fauci estimates 150 million vaccine doses delivered by end of year. AFP (10/27) reported that Dr. Anthony Fauci, Director of the National Institute of Allergy and Infectious Diseases, said that the US "will face a swine flu vaccine shortfall of 45 to 55 million doses by the end of the year but half of the population could still be vaccinated." He said, "I don't think we will get to the original goal" -- 195 million H1N1 vaccine doses -- but "the government may obtain 140 to 150 million doses, 'which quite frankly I think will likely be enough because we don't anticipate more than half of the people want to get vaccinated.'"

More pregnant women getting vaccine. The CBS Evening News (10/26, story 8, 3:00, Smith) reported, "Federal health officials admitted today their projected timetable for producing the vaccine was way off. ... Among those being urged to get the vaccine are pregnant women." CBS correspondent Dr. Jennifer Ashton added, "One hundred pregnant women have been admitted to the ICU across the country with complications of H1N1, 28 have died." She continued, "Traditionally, only about 15% of pregnant women choose to get a regular flu shot and that's because of concerns that they have, understandably so, about putting anything in their body. I am seeing more pregnant patients coming in wanting to be vaccinated against H1N1 and for them...their fear of this virus is greater than any concerns they might have about the vaccine."

FDA seeks to curb untested H1N1 remedies. The Washington Post (10/27, Boodman) reports that the Food and Drug Administration has compiled a list of 140 fraudulent swine-flu-fighting products. Gary Coody, the FDA's national health fraud coordinator, says that manufacturers of such products "are motivated by profit, not concern for public health," and said that health officials were concerned that such remedies could delay consumers from seeking genuine medical attention. As a result, "manufacturers are being told to immediately remove unproven claims or unapproved products from their Websites and to respond to warning letters within 48 hours, instead of the usual 15 working days." To date, "more than 90 percent of manufacturers have complied, removing suspect claims, products or, in some cases, entire websites."

Schools begin limited vaccination efforts. The New York Times (10/27, A29, Hartocollis) reports, "Despite nationwide shortfalls in the supply of swine flu vaccine, New York City's health commissioner said on Monday that the city was going ahead with the first stage of its plan to vaccinate schoolchildren." According to Dr. Thomas A. Farley, school nurses at 125 small public elementary schools will begin receiving nearly 40,000 doses, which "should be adequate" for now. Dr. Farley added that "as of last week, the city had received about 300,000 of the 380,000 doses of H1N1 vaccine it had ordered, which are being distributed to private physicians, hospitals, public clinics and schools." He also said the city was "optimistic" that the vaccine supply would continue to increase.

Hospitals overwhelmed by flu patients may be forced to cancel other services. USA Today (10/27, Sternberg) reports that the "pediatric emergency room at Johns Hopkins Hospital" in Baltimore is seeing "nearly three times as many kids as usual" per day due to the H1N1 flu. But, physicians "at Johns Hopkins and elsewhere expect the number of patients needing hospitalization and intensive care to rise. Such an influx 'could force some hospitals to cancel services such as elective surgery, they say.'" President Obama's national emergency declaration, "designed to give hospitals the flexibility to move patients to satellite facilities" will free up some room, but the unpredictable nature of influenza "makes planning a challenge."

terça-feira, 27 de Outubro de 2009

Gripe A - Uma reflexão e uma proposta‏

Ao ler este texto de Teresa Forcades i Vila, monja beneditina do Convento de Montserrat em Barcelona, médica especialista em Medicina Interna e doutorada em Saúde Pública, ninguém pode deixar de se interrogar sobre a capacidade dos seus governantes e autoridades de Saúde Pública do seu país - particularmente Primeiro-Ministro, Ministro da Saúde e Director-Geral de Saúde - sobre a sua honestidade e o seu grau dependência em relação aos grandes laboratórios internacionais.

Teresa Forcades i Vila* - 11.10.09
Dados científicos

Os dois primeiros casos conhecidos da nova gripe (vírus A/H1N1, estirpe S-OIV) diagnosticaram-se na Califórnia (EUA) no dia 17 de Abril de 2009 [1].

A nova gripe não é nova por ser do tipo A, nem tampouco por ser do subtipo H1N1: a epidemia de gripe de 1918 foi do tipo A/H1N1 e desde 1977 os vírus A/H1N1 fazem parte da época da gripe anual [2]; a única coisa que é nova é a estirpe S-OIV [3] [4].

Cerca de 33% das pessoas maiores de 60 anos parecem ter imunidade a este tipo de vírus da nova gripe [5].

Desde o seu início até 15 de Setembro de 2009, morreram com esta gripe 137 pessoas na Europa e 3.559 em todo o mundo [6]; há que ter em atenção que anualmente morrem na Europa entre 40.000 e 220.000 pessoas devido à gripe [7].

Como já disseram publicamente reconhecidos profissionais de saúde - entre eles o Dr. Bernard Debré (membro do Conselho Nacional de Ética em França) e o Dr. Juan José Rodriguez Sendin (presidente da Associação de Colégios Médicos do Estado espanhol) -, os dados desta temporada, pela qual já passaram os países do hemisfério Sul, demonstram que a taxa de mortalidade e de complicações da nova gripe é inferior à da gripe anual [8].

Irregularidades que têm de ser explicadas

Em finais de Janeiro de 2009, a filial austríaca da empresa farmacêutica norte-americana Baxter distribuiu a 16 laboratórios da Áustria, Alemanha, República Checa e Eslovénia, 72 kg de material para preparar vacinas contra o vírus da gripe anual; as vacinas tinham de ser administradas à população destes países durante os meses de Fevereiro e Março; antes que qualquer destas vacinas fosse administrada, um técnico de laboratório da empresa BioTest da República Checa decidiu, por sua conta, experimentar as vacinas em furões, que são os animais que desde 1918 são utilizados para estudar as vacinas para a gripe; todos os furões vacinados morreram.

Investigou-se então em que consistia exactamente o material enviado pela casa Baxter e descobriu-se que continha vírus vivos da gripe das aves (vírus A/H5N1) combinados com vírus vivos da gripe anual (vírus A/H3N2). Se esta contaminação não tivesse sido descoberta a tempo, a pandemia que, sem base real, as autoridades sanitárias globais (OMS) e nacionais estão a anunciar, seria agora uma espantosa realidade; esta combinação de vírus vivos pode ser particularmente letal porque combina um vírus vivo com cerca de 60% de mortalidade mas pouco contagioso (o vírus da gripe das aves) com um outro que tem uma mortalidade muito baixa mas com uma grande capacidade de contágio (o vírus da gripe sazonal) [9].

Em 29 de Abril de 2009, quando apenas tinham passado 12 dias sobre a detecção dos dois primeiros casos da nova gripe, a Drª Margaret Chan, directora-geral da OMS, declarou que o nível de alerta por perigo de pandemia se encontrava na fase 5 e mandou que todos os governos dos Estados membros da OMS activassem planos de emergência e de alerta sanitária máxima; um mês mais tarde, 11 de Junho de 2009, a Drª Chan declarou que no mundo já tínhamos uma pandemia (fase 6) causada pelo vírus A/H1N1 S-OIV [10]. Como pode fazer tal declaração quando, de acordo com os dados científicos expostos acima, a nova gripe é uma realidade mais benigna que a gripe sazonal e, além disso, não é um vírus novo e ao qual parte da humanidade está imune?

Pôde declará-lo porque no mês de Maio a OMS tinha alterado a definição de pandemia: antes de Maio de 2009 para poder ser declarada uma pandemia era necessário que por causa de um agente infeccioso morresse uma proporção significativa da população. Esta exigência - que é a única que dá sentido à noção clínica de pandemia e às medidas políticas que lhe estão associadas - foi eliminada da definição adoptada no mês de Maio de 2009 [11], depois dos EUA se terem declarado em «estado de emergência sanitária nacional», quando em todo o país havia apenas 20 pessoas infectadas com a nova gripe, e nenhuma delas tinha morrido [12].

Consequências políticas da declaração de «pandemia»

No contexto de uma pandemia é possível declarar a vacinação obrigatória para determinados grupos de pessoas ou, inclusivamente, para o conjunto dos cidadãos [13].

O que é que pode acontecer a uma pessoa que decida não se vacinar? Enquanto a vacinação não for declarada obrigatória não lhe pode acontecer nada; mas se chegasse a declarar-se a vacinação obrigatória, o Estado tem a obrigação de fazer cumprir a lei impondo multa ou prisão (no estado de Massachussetts dos EUA a multa para estes caso pode chegar a 1.000 dólares por cada dia que passe sem o prevaricador se vacinar) [14].

Perante isto, há quem possa pensar: se me obrigam, vacino-me e já está, a vacina é mais ou menos como a sazonal, também não há para todos...

É preciso que se saiba que há três novidades que fazem com que a vacina da nova gripe seja diferente da vacina da gripe anual: a primeira é que a maioria dos laboratórios estão a desenhar a vacina de forma que uma só injecção não seja suficiente e sejam necessárias duas; a OMS recomenda também que não se deixe de administrar a da gripe sazonal; quem seguir estas recomendações da OMS expõe-se a ser infectado três vezes e isto é uma novidade que, teoricamente, multiplica por três os possíveis efeitos secundários, embora na realidade ninguém saiba que efeitos pode causar, pois nunca antes se fez assim. A segunda novidade é que alguns dos laboratórios responsáveis pela vacina decidiram adicionar-lhe coadjuvantes mais potentes que os utilizados até agora nas vacinas anuais. Os coadjuvantes são substâncias que se adicionam às vacinas para estimular o sistema imunitário. A vacina da nova gripe que está a ser fabricada pelo laboratório Glaxo-Smith-Kline, por exemplo, contém um coadjuvante, AS03, uma combinação que multiplica por dez a resposta imunitária. O problema é que ninguém pode assegurar que este estímulo artificial do sistema imunitário não provoque, passado algum tempo, doenças auto-imunitárias graves, como a paralisia crescente de Guillain-Barré [15]. E a terceira novidade que distingue a vacina para a nova gripe da vacina anual, é que as companhias farmacêuticas que a fabricam estão a exigir que os Estados assinem acordos que lhes garantam a impunidade no caso das vacinas terem mais efeitos secundários que os previstos (por exemplo prevê-se que a paralisia Guillain-Barré venha a afectar 10 pessoas por cada milhão de vacinados); os EUA já assinaram estes acordos que garantem, tanto às farmacêuticas como aos políticos, a retirada de responsabilidade pelos possíveis efeitos secundários da vacina [16].

Uma reflexão

Se o envio de material contaminado fabricado pela Baxter não tivesse sido casualmente descoberto em Janeiro passado, efectivamente, ter-se-ia dado a gravíssima pandemia potencialmente causadora da morte de milhões de pessoas que alguns andam a anunciar. É inexplicável a falta de ressonância política e mediática do que aconteceu em Fevereiro no laboratório checo. Ainda mais inexplicável o grau de irresponsabilidade demonstrado pela OMS, pelos governos, pelas agências de controlo e prevenção de doenças ao declarar uma pandemia e promover um nível de alerta sanitário máximo sem uma base real. É irresponsável e inexplicável até extremos inconcebíveis o bilionário investimento saído do erário público destinado ao fabrico milhões e milhões de doses de vacina contra uma pandemia inexistente, ao mesmo tempo que não há dinheiro suficiente para ajudar milhões de pessoas (mais de 5 milhões só nos EUA) que por causa da crise perderam o seu trabalho e a sua casa.

Enquanto não forem clarificados estes factos, o risco de este Inverno serem distribuídas vacinas contaminadas e o risco de poderem ser adoptadas medidas legais coercivas para forçar a vacinação, são riscos reais que em caso algum podem ser desvalorizados.

No caso da gripe continuar tão benigna como até agora, não faz qualquer sentido a exposição ao risco de receber uma vacina contaminada ou o de sofrer uma paralisia Guillain-Barré.

No caso de a gripe se agravar de forma inesperada, como já há meses anunciam sem qualquer base científica um número surpreendente de altos dirigentes - entre eles a Directora-Geral da OMS -, e repentinamente, começarem a morrer muito mais pessoas do que é habitual, ainda terá menos sentido deixar-se pressionar para ser vacinado, porque uma surpresa assim só poderá significar duas coisas:

1. Que o vírus da gripe A que agora circula sofreu uma mutação;
2. Que está em circulação outro (ou outros) vírus.

Em qualquer dos casos a vacina que se está a preparar agora não serviria para nada e, tendo em conta o que aconteceu em Janeiro passado com a Baxter, podia ser, inclusivamente, que servisse de veículo de transmissão da doença.

Uma proposta

A minha proposta é clara:

Além de manter a calma, tomar precauções sensatas para evitar o contágio e não se deixar vacinar, coisa que já se propõem muitas pessoas com senso comum no nosso país [Espanha].

Apelo a que se active com carácter de urgência os mecanismos legais e de participação cidadã necessários para assegurar de forma rotunda que no nosso país não se poderá forçar ninguém a vacinar-se contra a sua vontade, e que os que decidirem livremente vacinar-se não serão privados do direito de exigir responsabilidades nem do direito de serem economicamente compensados (eles ou os seus familiares), no caso de a vacina lhes causar uma doença grave ou a morte.

Notas:
[1] Zimmer SM, Burke, DS. Historical Perspective: Emergence of Influenza A (H1N1) viruses. NEJM, Julio 16, 2009. p. 279
[2] 'The reemergence was probably an accidental release from a laboratory source in the setting of waning population immunity to H1 and N1 antigens', Zimmer, Burke, op. cit., p. 282
[3] Zimmer, Bunker, op. cit., p. 279
[4] Doshi, Peter. Calibrated response to emerging infections. BMJ 2009;339:b3471
[5] US Centers for Disease Control and Prevention. Serum cross-reactive antibody response to a novel influenza A (H1N1) virus after vaccination with seasonal influenza vaccine. MMWR 2009; 58: 521-4.
[6] Dados oficiais do Centro Europeu para o controlo e prevenção de doenças (www.ecdc.europa.eu).
[7] Dados oficiais do Centro Europeu para o controlo e prevenção de doenças (www.ecdc.europa.eu)
[8] Cf. Le Journal du Dimanche (25 juliol '09): Debré: 'Cette grippe n'est pas dangereuse'; cf. La Razón (4 septiembre '09): Rodríguez Sendín: Cordura frente el alarmismo en la prevención de la gripe A
[9] Cf. Virus mix-up by lab could have resulted in pandemic. The Times of India, sección de ciencia, 6 marzo 2009.
[10] http://www.who.int/mediacentre/news/statements/2009
[11] Cohen E. When a pandemic isn't a pandemic. CNN, 4 de mayo '09.http://edition.cnn.com/2009/HEALTH/05/04/swine.flu.pandemic/index.html
[12] Doshi Peter Calibrated response to emerging infections VMJ 2009;339:b3471
[13] Falkiner, Keith. Get the rushed flu jab or be jailed. Irish Star Sunday, 13 septiembre '09.
[14] Senate Bill n. 2028: An act relative to pandemic and disaster preparation and response in the commonwealth. 4 agosto '09. Cf. Moore, RT. Critics rage as state prepares for flu pandemic. 11 septiembre '09. WBUR Boston.
[15] Cf. Vaccination H1N1: méfiance des infirmières. www.syndicat-infirmier.com/Vaccination-H1N1-mefiance-des.htlm
[16] Stobbe, Mark. Legal immunity set for swine flu vaccine makers. Associated Press, 17 Julio '09.



Texto publicado no sítio da Coordenadora Antiprivatização de Saúde Pública, Madrid, (www.casmadrid.org), em Setembro de 2009.


* Teresa Forcades i Vila, monja beneditina do Mosteiro de San Benedito em Montserrat, Barcelona, é doutorada em Saúde Pública, especialista em Medicina Interna pela Universidade de Nova Iorque, autora entre outros livros de «Los crimines de las grandes compañias farmaceuticas».


Tradução de José Paulo Gascão

segunda-feira, 26 de Outubro de 2009

20 Conselhos Saudaveis para melhorar a qualidade de vida

As universidades de Harvard e Cambridge publicaram, recentemente, um manual com 20 conselhos saudáveis para melhorarem a qualidade de vida de forma prática e simples. São:

1- Beber um copo de sumo de laranja, diariamente.

Para aumentar o ferro e repor a vitamina C.

2 - Salpicar canela no café.

Mantém baixo o colesterol, e estáveis os níveis de açúcar no sangue.

3- Trocar o pãozinho tradicional pelo pão integral.

O qual tem quase 4 vezes mais fibra, 3 vezes mais zinco e quase 2 vezes mais ferro do que tem o pão branco.

4- Mastigar os vegetais por mais tempo.

Aumenta a quantidade de químicos anticancerígenos no corpo. Mastigar liberta sinigrina. E quanto menos se cozinham os vegetais, melhor efeito preventivo têm.

5- Adoptar a regra dos 80%.

Servir-se de menos 20% da comida evita transtornos gastrintestinais, prolonga a vida, e reduz o risco de diabetes e ataques de coração.

6- O futuro está na laranja.

Reduz em 30% o risco de cancro de pulmão.

7- Fazer refeições coloridas como o arco-íris.

Comer uma variedade de vermelho, laranja, amarelo, verde, roxo e branco, em frutas e vegetais, cria uma melhor mistura de antioxidantes, vitaminas e minerais.

8- Comer pizza. Mas escolha as de massa fininha.

O Licopene, um antioxidante do tomate, pode inibir e ainda reverter o crescimento de tumores; e, ademais, é melhor absorvido pelo corpo quando o tomate está em molhos para massas ou para pizza.

9- Limpar a sua escova de dentes e trocá-la regularmente.

As escovas podem espalhar gripes, resfriados e germes. Assim, é recomendado lavá-las com água quente, pelo menos quatro vezes por semana (aproveite o banho no chuveiro); sobretudo durante e após períodos de doença, devem ser mantidas separadas de outras escovas.

10- Realizar atividades que estimulem a mente e fortaleçam a sua memória.
Faça alguns testes ou quebra-cabeças, palavras-cruzadas, aprenda um idioma, qualquer habilidade nova. Leia um livro e memorize parágrafos.

11 - Usar fio dental e não mastigar chicletes.
Acreditem ou não, uma pesquisa deu como resultado que as pessoas que mastigam chicletes têm mais possibilidade de sofrer de arterosclerose, pois tem os vasos sanguíneos mais estreitos, o que pode preceder um ataque do coração. Usar fio dental pode acrescentar seis anos à sua idade biológica, porque remove as bactérias que atacam os dentes e o corpo.

12- Rir.
Uma boa gargalhada é um 'mini-workout', um pequeno exercício físico: 100 a 200 gargalhadas equivalem a 10 minutos de corrida. Baixa o stresse, acorda células naturais de defesa e desperta os anticorpos.

13- Não descascar com antecipação.
Os vegetais ou frutas, (sempre frescos), devem ser cortados e descascados no momento em que vão ser consumidos.
Isto aumenta os níveis de nutrientes contra o cancro.

14- Ligar para os seus parentes/pais de vez em quando.
Um estudo da Faculdade de Medicina de Harvard concluiu que 91% das pessoas que não mantém um laço afetivo com as pessoas de quem gostam, particularmente com a mãe, desenvolvem tensão alta (alta pressão), alcoolismo ou doenças cardíacas em idade temporã.

15- Desfrutar de uma xícara de chá.
O chá comum contém menos níveis de antioxidantes que o chá verde, e beber só uma xícara diária desta infusão diminui o risco de doenças coronárias. Cientistas israelitas também concluíram que beber chá aumenta a sobrevida depois de ataques ao coração.

16- Ter um animal de estimação.
As pessoas que não têm animais domésticos, sofrem mais de stresse e vão mais ao médico, dizem os cientistas da Cambridge University. As mascotes fazem-nos sentir optimistas, relaxado, e isso baixa a pressão do sangue. Os cães são os melhores, mas até com um peixinho dourado podemos obter um bom resultado.

17- Colocar tomate ou verdura frescas no sanduíche.
Uma porção de tomate por dia, baixa o risco de doença coronária em 30%, segundo os cientistas da Harvard Medical School.

18- Reorganizar o frigorífico.
As verduras, em qualquer lugar de sua geladeira perdem substâncias nutritivas.
A luz artificial do equipamento destrói os flavonóides (que combatem o cancro) que todos os vegetais têm. Por isso, é melhor usar a área reservada às verduras, que é aquela gaveta em baixo.

19- Comer como um passarinho.
A semente de girassol e as sementes de sésamo, nas saladas, e cereais são nutrientes e antioxidantes.
E comer nozes entre as refeições reduz o risco de diabetes.

20- E, por último, uma súmula de pequenas dicas para alongar a vida:

- Comer chocolate.
Duas barras por semana dão mais um ano a vida. O amargo é fonte de ferro, magnésio e potássio.

- Pensar positivamente.
As pessoas optimistas podem viver até mais 12 anos que os pessimistas, as quais, ademais, apanham gripes e resfriados mais facilmente.

- Ser sociável.
As pessoas com fortes laços sociais, ou redes de amigos, têm vidas mais saudáveis que as pessoas solitárias, ou que só têm contato com a família.

- Conhecer-se a si mesmo.
Os verdadeiros crentes e aqueles que priorizam o 'ser' sobre o 'ter', têm 35% mais de probabilidade de viver mais tempo.

Uma vez incorporados, os conselhos, facilmente se tornam hábitos.

É exatamente o que diz Séneca:

'Escolha a melhor forma de viver, e o costume a tornará agradável'!

Os 20 conselhos de Harvard e Cambridge

As universidades de Harvard e Cambridge publicaram, recentemente, um manual com 20 conselhos saudáveis para melhorarem a qualidade de vida de forma prática e simples. São:

1- Beber um copo de sumo de laranja, diariamente.

Para aumentar o ferro e repor a vitamina C.

2 - Salpicar canela no café.

Mantém baixo o colesterol, e estáveis os níveis de açúcar no sangue.

3- Trocar o pãozinho tradicional pelo pão integral.

O qual tem quase 4 vezes mais fibra, 3 vezes mais zinco e quase 2 vezes mais ferro do que tem o pão branco.

4- Mastigar os vegetais por mais tempo.

Aumenta a quantidade de químicos anticancerígenos no corpo. Mastigar liberta sinigrina. E quanto menos se cozinham os vegetais, melhor efeito preventivo têm.

5- Adoptar a regra dos 80%.

Servir-se de menos 20% da comida evita transtornos gastrintestinais, prolonga a vida, e reduz o risco de diabetes e ataques de coração.

6- O futuro está na laranja.

Reduz em 30% o risco de cancro de pulmão.

7- Fazer refeições coloridas como o arco-íris.

Comer uma variedade de vermelho, laranja, amarelo, verde, roxo e branco, em frutas e vegetais, cria uma melhor mistura de antioxidantes, vitaminas e minerais.

8- Comer pizza. Mas escolha as de massa fininha.

O Licopene, um antioxidante do tomate, pode inibir e ainda reverter o crescimento de tumores; e, ademais, é melhor absorvido pelo corpo quando o tomate está em molhos para massas ou para pizza.

9- Limpar a sua escova de dentes e trocá-la regularmente.

As escovas podem espalhar gripes, resfriados e germes. Assim, é recomendado lavá-las com água quente, pelo menos quatro vezes por semana (aproveite o banho no chuveiro); sobretudo durante e após períodos de doença, devem ser mantidas separadas de outras escovas.

10- Realizar atividades que estimulem a mente e fortaleçam a sua memória.
Faça alguns testes ou quebra-cabeças, palavras-cruzadas, aprenda um idioma, qualquer habilidade nova. Leia um livro e memorize parágrafos.

11 - Usar fio dental e não mastigar chicletes.
Acreditem ou não, uma pesquisa deu como resultado que as pessoas que mastigam chicletes têm mais possibilidade de sofrer de arterosclerose, pois tem os vasos sanguíneos mais estreitos, o que pode preceder um ataque do coração. Usar fio dental pode acrescentar seis anos à sua idade biológica, porque remove as bactérias que atacam os dentes e o corpo.

12- Rir.
Uma boa gargalhada é um 'mini-workout', um pequeno exercício físico: 100 a 200 gargalhadas equivalem a 10 minutos de corrida. Baixa o stresse, acorda células naturais de defesa e desperta os anticorpos.

13- Não descascar com antecipação.
Os vegetais ou frutas, (sempre frescos), devem ser cortados e descascados no momento em que vão ser consumidos.
Isto aumenta os níveis de nutrientes contra o cancro.

14- Ligar para os seus parentes/pais de vez em quando.
Um estudo da Faculdade de Medicina de Harvard concluiu que 91% das pessoas que não mantém um laço afetivo com as pessoas de quem gostam, particularmente com a mãe, desenvolvem tensão alta (alta pressão), alcoolismo ou doenças cardíacas em idade temporã.

15- Desfrutar de uma xícara de chá.
O chá comum contém menos níveis de antioxidantes que o chá verde, e beber só uma xícara diária desta infusão diminui o risco de doenças coronárias. Cientistas israelitas também concluíram que beber chá aumenta a sobrevida depois de ataques ao coração.

16- Ter um animal de estimação.
As pessoas que não têm animais domésticos, sofrem mais de stresse e vão mais ao médico, dizem os cientistas da Cambridge University. As mascotes fazem-nos sentir optimistas, relaxado, e isso baixa a pressão do sangue. Os cães são os melhores, mas até com um peixinho dourado podemos obter um bom resultado.

17- Colocar tomate ou verdura frescas no sanduíche.
Uma porção de tomate por dia, baixa o risco de doença coronária em 30%, segundo os cientistas da Harvard Medical School.

18- Reorganizar o frigorífico.
As verduras, em qualquer lugar de sua geladeira perdem substâncias nutritivas.
A luz artificial do equipamento destrói os flavonóides (que combatem o cancro) que todos os vegetais têm. Por isso, é melhor usar a área reservada às verduras, que é aquela gaveta em baixo.

19- Comer como um passarinho.
A semente de girassol e as sementes de sésamo, nas saladas, e cereais são nutrientes e antioxidantes.
E comer nozes entre as refeições reduz o risco de diabetes.

20- E, por último, uma súmula de pequenas dicas para alongar a vida:

- Comer chocolate.
Duas barras por semana dão mais um ano a vida. O amargo é fonte de ferro, magnésio e potássio.

- Pensar positivamente.
As pessoas optimistas podem viver até mais 12 anos que os pessimistas, as quais, ademais, apanham gripes e resfriados mais facilmente.

- Ser sociável.
As pessoas com fortes laços sociais, ou redes de amigos, têm vidas mais saudáveis que as pessoas solitárias, ou que só têm contato com a família.

- Conhecer-se a si mesmo.
Os verdadeiros crentes e aqueles que priorizam o 'ser' sobre o 'ter', têm 35% mais de probabilidade de viver mais tempo.

Uma vez incorporados, os conselhos, facilmente se tornam hábitos.

É exatamente o que diz Séneca:

'Escolha a melhor forma de viver, e o costume a tornará agradável'!

quinta-feira, 22 de Outubro de 2009

POLEMICA COM O VIRUS H1N1

O vírus H1N1 foi criado em laboratório, como tentativa de EXTERMÍNIO DA POPULAÇÃO HUMANA, por parte de uma pequena ELITE MUNDIAL que se julga dona do planeta e de todos os seres humanos.
Esta pequena elite domina todas as áreas da nossa sociedade, nomeadamente indústrias energéticas e farmacêuticas, sistema bancário e financeiro, serviços secretos de inteligência, COMUNICAÇÃO SOCIAL, e em especial a grande maioria dos Governos mundiais. Esta elite funciona através de agendas compartimentadas, disseminadas por várias organizações como os Bilderberg Group, Trilateral Commission, Council on Foreign Relations, ONU, World Health Organization, entre outras.
É esta Elite que está a implodir a economia e a destruir o dólar, para apresentar uma nova moeda global. São eles que controlam TODO O DINHEIRO. Eles mandam no World Bank, International Monetary Fund, Federal Reserve e o Banco Central Europeu.
A missão dos políticos é apenas apresentar a agenda da NOVA ORDEM MUNDIAL, mantendo as pessoas ocupadas e divididas a lutar umas contra as outras.
O problema do vírus está nas vacinas que poderão conter o próprio, bem como causar outros efeitos secundários LETAIS.
Para realizar o extermínio, é necessário manter as pessoas assustadas, para que se submetam de livre vontade às vacinas.
A próxima estirpe do vírus vai ser lançada nos primeiros meses de 2010 e vai ser mais mortífera.

INVESTIGUE

http://gripeh1n1.ning.com/

http://ahumanidadeestaemperigo.blogspot.com/

quinta-feira, 15 de Outubro de 2009

CONSELHOS SOBRE BACTÉRIAS EM NOSSAS CASAS‏

Primeiro erro:

Colocar carnes debaixo da torneira.
Primeiro, você perde nutrientes. A carne fica esbranquiçada.
Segundo: a contaminação que existe vai aumentar, porque aumenta a quantidade de água e as bactérias vão penetrar mais ainda.
A única carne que você lava é o peixe e só para tirar escamas e a barrigada.

Segundo erro:

Deitar detergente na esponja, para lavar louça
O detergente nunca deve ser colocado directamente na esponja. Vai ser muito difícil enxaguar todo esse detergente, e o resto de detergente que fica, ao juntar-se com os alimentos pode constituir, no futuro, um problema para a sua saúde.
Para limpar sem exagero, você precisa apenas de oito (8) gotas de detergente numa bacia com 1 litro de água.

Terceiro erro:

Nunca usar tábua de carne de madeira.
Na tábua de madeira as bactérias vivem felizes! Use sempre uma tábua de plástico !

Quarto erro:

Muita gente evita guardar comida quente na geladeira.
Doutor Bactéria derruba um dos mitos mais difundidos entre as donas de casa.... Guarde mesmo quente, sim! O único problema que pode existir é que vai aumentar um pouquinho o consumo de energia, mas não vai estragar a geladeira de modo algum.

Quinto erro:

Mas nada disso adianta se você guardar na geladeira o recipiente tapado.
O ar frio vai bater na tampa. Vai demorar muito para resfriar. As bactérias vão adorar! Então, coloque tudo destapado. Só 2 horas depois é que você vai fechar.

Quinto erro:

Abrir a lata de leite condensado com 2 buraquinhos minúsculos, um de cada lado.
Com este procedimento, sai leite condensado por um lado e pelo outro entra uma chuva de bactérias.
Abra a lata inteira! Use um recipiente que pode ser de plástico ou de vidro e utilize uma colherzinha para servir. Depois tape e guarde na geladeira.

Sexto erro:

Ignorar as formigas.
Quando se fala em doce, não podem esquecer as formigas... Você provalvemente não se importaria ao encontrar uma alegre formiga em cima do seu bolo, não é ?!.

Doutor Bactéria:
E se fosse uma barata?
Marina Scherb, de 12 anos:
Aí eu não como.
Doutor Bactéria:
Se a gente pegar uma barata, matar essa barata, deixar no meio da cozinha, no dia seguinte, cadê a barata?
Marina:
Sumiu.
Doutor Bactéria:
Quem levou?
Marina:
As formigas...
Doutor Bactéria:
A mesma que estava em cima do bolo?
Marina:
É... formigas bonitinhas mas ordinárias

As formigas são consideradas até maiores agentes transmissores de bactérias do que a própria barata!
Doce com formiga só pode ter um destino: a lata de lixo.

Sétimo erro:

Soprar a velinha é o mau hábito que completa o jogo de sete erros.
Testes comprovam que o bolo fica contaminado por bactérias de saliva.
Esta bactéria produz uma toxina que pode ocasionar intoxicações com 24 horas de vómitos e mal-estar.
Por isso, evite deixar o bolo fora da geladeira.


"Roberto Figueiredo, biomédico"

segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

Causas principais que prejudicam o fígado

1. Dormir tarde e despertar tarde
2. Não urinar pela manhã
3. Comer demasiado
4. Saltar o pequeno-almoço
5. Consumir muitos medicamentos
6. Consumir conservantes, colorantes, adoçantes artificiais
7. Consumir óleos de cozinha não saudáveis. Reduz o mais possível o consumo de alimentos fritos mesmo quando utilizes azeites benéficos. Não consumas alimentos fritos quando estiveres cansado ou doente a menos que sejas muito magro, mas se puderes, evita-o.
8. Consumir alimentos crus ou demasiado cozidos sobrecarregam o fígado.
Os vegetais devem ser comidos crus ou pouco cozidos. Se consomes vegetais fritos deves fazê-lo de uma só vez, ou seja, não deves guardar-los para consumo posterior.

Devemos seguir estes conselhos sem que signifique maior gasto. Sé temos que adoptar um estilo de vida mais saudável e melhorar os nossos hábitos alimentares.. Manter bons hábitos de alimentação e exercício é muito positivo para que o nosso organismo absorva o que necessita e elimine os químicos no seu "horário".

HÁBITOS QUE PREJUDICAM O CÉREBRO (matam neurónios)

1. Não tomar o pequeno-almoço
A pessoa que não toma o pequeno-almoço tem baixo nível de açúcar no sangue. Isto gera uma quantidade insuficiente de nutrientes ao cérebro causando a sua degeneração paulatina.

2.. Comer demais
Isto causa o endurecimento das artérias do cérebro, causando também baixa capacidade mental.

3. Fumar
Causa a diminuição do tamanho cerebral e promove também a doença de Alzheimer.

4. Consumir altas quantidades de açúcar
O alto consumo de açúcar interrompe a absorção de proteínas e nutrientes causando má nutrição e pode interferir no desenvolvimento do cérebro.

5. Contaminação do ar
O cérebro o maior consumidor de oxigénio do corpo. Inalar ar contaminado diminui a sua oxigenação provocando uma diminuição da eficiência cerebral.

6. Dormir pouco
O dormir permite ao cérebro descansar. A falta de sono por períodos prolongados acelera a perda de células do cérebro.

7. Dormir com a cabeça coberta
Dormir com a cabeça coberta aumenta a concentração de dióxido de carbono e diminui o oxigénio causando efeitos adversos ao nosso cérebro.

8. Fazer o cérebro trabalhar quando estamos doentes
Trabalhar e estudar quando estás doente, além da dificuldade do cérebro para responder nesse estado, prejudica-o.

9. Falta de estimulação
Pensar é a melhor maneira de estimular o nosso cérebro e não fazê-o provoca que o cérebro diminua o seu tamanho e portanto a sua capacidade.

10. Pratica a conversação inteligente
Conversas profundas ou intelectuais promovem a eficiência cerebral

Os alimentos "Top-five" causadores de câncer:

1. Hot dogs
Porque têm alto teor em nitratos. A "Câncer Prevention Coalition" adverte que as crianças não devem comer mais de 12 salsichas por mês. Se não podes viver sem as salsichas compra das que são feitas SEM nitrato de sódio.


2. Carnes processadas e toucinho
Também contêm altos níveis de nitrato de sódio como as salsichas,assim como também no toucinho e outras carnes processadas aumentam o risco de doenças do coração. A gordura saturada do toucinho também é um grande colaborador na veneração de câncer.


3.. Donutt
Os Donutts são duplamente causadores de câncer . Primeiro porque são elaboradas com flúor, açúcar refinado e óleo hidrogenado, depois são FRITOS a altas temperaturas. Os donutts são o primeiro "alimento" de todos os que podes comer que elevarão altamente o teu risco de gerar câncer.


4. Batatas fritas
Assim como os donutts, as batatas fritas são elaboradas com óleos hidrogenados e cozinhadas depois a altas temperaturas. Também contêm acryl amidas que se geram durante o processo de cozedura a altas temperaturas. Deveriam chamar-se batatas câncer em de batatas fritas.

5. Biscoitos e bolachas
São geralmente elaboradas com flúor e açúcar. Até as que em suas etiquetas são orgulhosamente apresentadas como livres
de gorduras transgénicas geralmente contém só que em quantidades menores.

RAZÕES PARA DORMIR E DESPERTAR CEDO

Das 21 - 23:00: É o horário em que o corpo realiza actividades de eliminação, químicos desnecessários e tóxicos (desintoxicação) mediante o sistema linfático do nosso corpo. Neste horário do dia devemos estar num estado de relaxamento, escutando música, por exemplo.
Geralmente a esta hora as mãmãs realizam actividades tais como limpar a cozinha, monitorar que tudo esteja pronto para a actividade do dia seguinte, etc., actividades que geram um estado de falta de relaxamento o que gera um efeito negativo para a saúde.

Das 23 - 01:00am: o corpo realiza o processo de desintoxicação do fígado, e idealmente deve ser processado num estado de sono profundo.

Durante as primeiras horas da manhã 01:00 - 03:00: processo de desintoxicação da vesícula biliar, idealmente deve suceder também num estado de sono profundo.
De madrugada 03:00 - 05:00: desintoxicação dos pulmões. É por isso que por vezes neste horário se produzem fortes acessos de tosse. Quando o processo de desintoxicação atinge o tracto respiratório é melhor não tomar medicamentos para a tosse já que interferem no processo de eliminação de toxinas.

Manhã 05:00 - 07:00: desintoxicação do cólon. É o horário de ir à casa-de-banho para esvaziar o intestino.

Durante a Manhã de 07:00 - 09:00: absorção de nutrientes no intestino delgado. É o horário perfeito para tomar o pequeno-almoço. Se estiver doente o pequeno-almoço deve ser tomado mais cedo: antes das 6:30 am.
O pequeno-almoço antes das 7:30am é benéfico para aqueles que querem manter-se em forma.
Os que não têm por hábito tomar o pequeno-almoço, devem tentar mudar o hábito, sendo menos prejudicial realizar-lo entre as 9:00 e as 10:00 am em de ficar a manhã completa sem comer.

Dormir tarde e despertar tarde interromperá o processo de desintoxicação de químicos desnecessários ao teu organismo.
Além disso deves ter em conta que das 00:00 às 4:00 am é o horário em que a medula óssea dos teus ossos produz o sangue, então procura dormir bem e não te deites tarde.

domingo, 11 de Outubro de 2009

VACINA DA GRIPE SUÍNA... SIM OU NÃO?‏

"Eu não tomaria a vacina H1N1 pelo simples risco do síndroma GBS" - Neurologista Britânico

MÉDICOS E ENFERMEIROS EM PORTUGAL JÁ DISSERAM QUE NÃO VÃO TOMAR A VACINA!!!

Um dos possíveis efeitos secundários da vacina H1N1 é o síndroma de Guillian-Barre, o síndroma que matou e incapacitou centenas da Americanos na campanha de vacinação H1N1 em 1979 com 500 casos confirmados deste síndroma, a vacina foi retirada do mercado 10 dias depois após vacinarem 48 milhões de pessoas, tendo feito mais vitimas que o vírus H1N1. Este síndroma ataca directamente o sistema nervoso causando problemas de respiração, paralisia e até a morte.

Esta gripe é comparada à gripe Espanhola de 1919 que matou mais de 20 milhões de pessoas. A gripe Espanhola é falada referindo o numero de mortes e não o numero de contaminados. A percentagem de morte foi de 2,5% o que significa que 97,5% dos contaminados recuperaram. A actual gripe A tem uma mortalidade de 0,05, o que significa que 99,95% dos contaminados recuperam. Isto significa que não há necessidade de arriscar os efeitos secundários de uma vacinação.

Sabiam que a gripe Espanhola apareceu nos EUA após um programa de vacinação e que os únicos países não afectados foram os que não usaram essa vacina (info)?

Sabiam que o primeiro efeito da vacina da gripe sazonal é apanhar uma ligeira gripe? Qual será o efeito da nova vacina H1N1?

Sabiam que a primeira vacina há 150 anos para combater o Sarampo, desencadeou uma epidemia de Sarampo que matou centenas de milhares de pessoas?

Sabiam que a organização mundial de saúde pode depor governos de 194 países do mundo por forma a impor uma vacinação pela força em caso de recusa popular?

Os testes da vacina H1N1 já começaram nos EUA, mas não são testes em laboratórios, são testes em humanos onde as crianças estão a ser vacinas em casos específicos:
1- Com conhecimento dos pais: Quando os pais dão os filhos como voluntários para vacinação.
2- Sem o conhecimento dos pais: Quando autorizam a entrada dos filhos em desportos escolares, assinando autorizações sem as ler. Essas autorizações referem a vacinação teste como obrigatória.
Inglaterra recebeu já 200,000 doses para começarem a testar na população e nos humanos não há sociedades que nos protejam de testes médicos, como fazem aos animais.
Apesar de a gripe Suína em Inglaterra ter morto unicamente 5% em relação às que morrem de gripe normal, a vacina contra a gripe suína será obrigatória, a vacina normal não!
Ora se fosse para nos ajudar, tornariam a vacina normal obrigatória e não a Suína.

Nos EUA a loucura começou... Em alguns estados como Maryland, a vacina é obrigatória a todas as crianças, qualquer criança não vacinada não poderá frequentar a escola. Qualquer pai que se recuse a vacinar os seus filho, poderá ser preso por atentado contra a saúde pública. Mas em Massachusetts, quem recusar a vacina irá ser multado até 1.000 dólares por dia e em desobediência continuada será detido por 30 dias e vacinado compulsivamente.

Vocês podem recusar a vacina, mesmo que o estado a torne obrigatória. O Estado tal como a policia existem e actuam por consentimento, a população tem de consentir por forma a dar-lhe o poder. Não consintam, pacificamente digam NÃO se acham que o devem dizer.

Não há perigo, hoje afirmo-o. Se houvesse perigo da mistura entre o vírus da gripe suína e o vírus da gripe normal, teriam morrido milhões no hemisfério sul, sim pois o inverno está a acabar lá. Liguem a TV, alguém fala disso? Alguém vos diz que não existiram mortes fora do normal? No hemisfério sul nada aconteceu, tal como nada acontecerá aqui, mas a vacina tem efeitos secundários que podem até matar.
O inverno deles tem os mesmos efeitos que o nosso e os dados vindos de lá, apontam para um numero normal de mortes quer da gripe sazonal quer da gripe suína.

Vale a pena arriscar a saúde e a vida por causa de 0,05% de chances de contaminação mortal por H1N1?

Façam as vossas contas e pensem bem…!"Eu não tomaria a vacina H1N1 pelo simples risco do síndroma GBS" - Neurologista Britânico

Um dos possíveis efeitos secundários da vacina H1N1 é o síndroma de Guillian-Barre, o síndroma que matou e incapacitou centenas da Americanos na campanha de vacinação H1N1 em 1979 com 500 casos confirmados deste síndroma, a vacina foi retirada do mercado 10 dias depois após vacinarem 48 milhões de pessoas, tendo feito mais vitimas que o vírus H1N1. Este síndroma ataca directamente o sistema nervoso causando problemas de respiração, paralisia e até a morte.

Esta gripe é comparada à gripe Espanhola de 1919 que matou mais de 20 milhões de pessoas. A gripe Espanhola é falada referindo o numero de mortes e não o numero de contaminados. A percentagem de morte foi de 2,5% o que significa que 97,5% dos contaminados recuperaram. A actual gripe A tem uma mortalidade de 0,05, o que significa que 99,95% dos contaminados recuperam. Isto significa que não há necessidade de arriscar os efeitos secundários de uma vacinação.

Sabiam que a gripe Espanhola apareceu nos EUA após um programa de vacinação e que os únicos países não afectados foram os que não usaram essa vacina (info)?

Sabiam que o primeiro efeito da vacina da gripe sazonal é apanhar uma ligeira gripe? Qual será o efeito da nova vacina H1N1?

Sabiam que a primeira vacina há 150 anos para combater o Sarampo, desencadeou uma epidemia de Sarampo que matou centenas de milhares de pessoas?

Sabiam que a organização mundial de saúde pode depor governos de 194 países do mundo por forma a impor uma vacinação pela força em caso de recusa popular?

Os testes da vacina H1N1 já começaram nos EUA, mas não são testes em laboratórios, são testes em humanos onde as crianças estão a ser vacinas em casos específicos:
1- Com conhecimento dos pais: Quando os pais dão os filhos como voluntários para vacinação.
2- Sem o conhecimento dos pais: Quando autorizam a entrada dos filhos em desportos escolares, assinando autorizações sem as ler. Essas autorizações referem a vacinação teste como obrigatória.
Inglaterra recebeu já 200,000 doses para começarem a testar na população e nos humanos não há sociedades que nos protejam de testes médicos, como fazem aos animais.
Apesar de a gripe Suína em Inglaterra ter morto unicamente 5% em relação às que morrem de gripe normal, a vacina contra a gripe suína será obrigatória, a vacina normal não!
Ora se fosse para nos ajudar, tornariam a vacina normal obrigatória e não a Suína.

Nos EUA a loucura começou... Em alguns estados como Maryland, a vacina é obrigatória a todas as crianças, qualquer criança não vacinada não poderá frequentar a escola. Qualquer pai que se recuse a vacinar os seus filho, poderá ser preso por atentado contra a saúde pública. Mas em Massachusetts, quem recusar a vacina irá ser multado até 1.000 dólares por dia e em desobediência continuada será detido por 30 dias e vacinado compulsivamente.

Vocês podem recusar a vacina, mesmo que o estado a torne obrigatória. O Estado tal como a policia existem e actuam por consentimento, a população tem de consentir por forma a dar-lhe o poder. Não consintam, pacificamente digam NÃO se acham que o devem dizer.

Não há perigo, hoje afirmo-o. Se houvesse perigo da mistura entre o vírus da gripe suína e o vírus da gripe normal, teriam morrido milhões no hemisfério sul, sim pois o inverno está a acabar lá. Liguem a TV, alguém fala disso? Alguém vos diz que não existiram mortes fora do normal? No hemisfério sul nada aconteceu, tal como nada acontecerá aqui, mas a vacina tem efeitos secundários que podem até matar.
O inverno deles tem os mesmos efeitos que o nosso e os dados vindos de lá, apontam para um numero normal de mortes quer da gripe sazonal quer da gripe suína.

Vale a pena arriscar a saúde e a vida por causa de 0,05% de chances de contaminação mortal por H1N1?

Façam as vossas contas e pensem bem…!

EU NÃO VOU TOMAR A VACINA.


(C.M)

terça-feira, 6 de Outubro de 2009

A Verdade Sobre o IOGURTE ACTIVIA

Para leitura e conhecimento... na prática não precisamos de coisa nenhuma da Danone e de outras do gênero... leiam isto:

Afinal, o que é Activia?

O que são os bacilos DanRegularis?

"Bifidobacterium animalis é uma bactéria anaeróbica gram-positiva encontrada nos intestinos de animais de grande porte, inclusive humanos."

Qual seria então a fonte para se obter o famoso DanRegularis?

NÃO, você não está enganado. São as FEZES HUMANAS...., SIM, SIM E SIM!

Mas o absurdo não para aí...

"Muitas empresas têm tentado registrar subespécies específicas como uma técnica de marketing,renomeando estas subespécies com rótulos pseudo-científicos."

A Danone (Dannon) protocolou como marca registrada a cepa DN 173.010,
e comercializa o organismo nomeando-o de:
Bifidus Digestum (Reino Unido),
Bifidus Regularis (EUA e México),
Bifidubacterium Lactis ou B.L. Regularis (Canadá),
DanRegularis (Brasil) e Bifidus Artiregularis
(Argentina, Áustria, Bulgária, Chile, Alemanha, Itália, Irlanda,
Romênia, Rússia e Espanha).

Cientificamente, o nome correto desta cepa é Bifidobacterium animalis
subsp. animalis, strain DN-173.010.

O motivo pelo qual a bebida láctea Activia ajuda na digestão é o
simples fato de que a bactéria adicionada pela Danone pertence
a uma cepa mais irritante para a mucosa intestinal, que ao entrar
em contato trata de expelir o mais rapidamente possível o material fecal.

Sejamos honestos. É saudável, a longo prazo, acostumar o sistema
digestivo (ou mais modernamente, sistema digestório) humano a somente
funcionar pela introdução de um material irritante/estimulante? Isso não seria
viciar o organismo? Não seria mais coerente consumir mais fibras e menos
pão branco, o verdadeiro culpado pelos problemas intestinais?

Alimento probiótico, eles dizem... Até quando vamos ser ingênuos (ou
seria mais correto otários) de acreditar cegamente em propagandas e
em campanhas de marketing??

A bebida láctea contendo Bifidobacterium animalis sp vem sendo
comercializada pela Danone pelo mundo afora desde 1990, mas
somente no Brasil tiveram a cara-de-pau de colocar o nome
da marca Danone (DanRegularis) no nome científico registrado.

Mas, sinceramente, prefira as verduras ao leite de cocô doce.

EM OUTRAS PALAVRAS, A TAL DE BEBIDA LÁCTEA TEM MERDA MESMO!!!!!!

Marília C. Duarte
(Nutricionista)
São Paulo - SP

quinta-feira, 1 de Outubro de 2009

ÁLCOOL GEL --- MUITO FÁCIL DE FAZER‏

Já tem muitos lugares onde não se encontra ÁLCOOL GEL.

Guarde a formula simples do álcool gel, caso tenha necessidade:

. 2 folhas de gelatina incolor e sem sabor (compra-se em qualquer supermercado)

. 1 copo de água quente para dissolver as 2 folhas de gelatina.

Espere esfriar.

Acrescente 12 copos de álcool de 96° graus.

Está pronto o álcool gel de 72° a 75° graus.